segunda-feira, 28 de maio de 2012

Nova Raça: O Woj


Woj

Espalhados por toda Efíria, os Woj, também conhecidos como Homens-Urso ou Povo-Urso, habitam as matas e as montanhas da região. Sem nação, sem rei, sem lei... Assim vivem os Woj.

O SER

Um Woj é um urso humanóide medindo entre 2,20 – 2,60 metros de altura e pesando facilmente 200kg.  As fêmeas e os machos possuem as mesmas medidas.
Possuem uma grossa pelagem cuja cor pode variar de acordo com a etnia.  Existem wojs com pelagem branca, marrom, parda, cinza e preta. Aqueles que vivem afastados da civilização não costumam usar roupas, uma vez que sua pelagem já fornece a proteção suficiente para o clima local. Aqueles que optam por viver nas civilizações usam roupas consideradas apropriadas a cultura.
Woj Possuem 5 dedos todos terminando em garras pontudas. Alguns costumam cortá-las quando algum tipo de trabalho que realizam seria prejudicado, por outro lado são ferramentas úteis e armas eficazes em situações de perigo.
O corpo de um woj tem proporções similares a de um ser humano, ou seja: existem wojs gordos, fortes, magros, altos, baixos, com nanismo e gigantismo, mas, no geral, esta raça possui grandes quantidades de gordura corporal, mesmo sendo “magro”, pois trata de uma característica própria da raça. Claro que um Woj magro o é com relação à condição física geral da espécie, um woj considerado magro perto de um humano magro seria ainda considerado muito roliço.
A cabeça de um Woj é idêntica a um urso endêmico de sua região, por exemplo: se o Woj vive em terras onde existam ursos polar, sua pelagem e formato da cabeça seguirá este mesmo padrão.  No geral, wojs possuem um focinho, dentes pontudos e orelhas em cima da cabeça arredondadas e peludas. Seus olhos são laranjas ou avermelhados possuindo uma iris pouco desenvolvida mas com pupila normal e não são prejudicados visualmente. A etnia branca, nativa do norte tem olhos quase totalmente pretos.
Wojs valorizam a força, a resistência física e a autossuficiência como valores maiores. “Se você não pode fazer por si mesmo você não pode fazer por mais ninguém”, é um provérbio muito citado entre eles e estes valores são inculcados nos filhotes desde tenra idade. Alguém que saia de uma situação difícil e sobrevive pela sua própria conta terá o interesse e respeito do “homem-urso”.
Wojs se comportam como ursos inteligentes: gostam de caçar, escalar, nadar, pescar, colher frutas e mel. São grandes apicultores. Não chegam a hibernar como os ursos, a despeito do parentesco, mas membros desta raça gostam muito de tirar uma boa soneca. Não são preguiçosos, longe disso. Mas sempre que possível, vão procurar um lugar para dormir quando não houver nada mais importante para fazer. Podem dormir por uma semana inteira e muitos o fazem para recuperar-se de ferimentos e doenças. Quando trabalham nas cidades costumam reservar um dia da semana apenas para dormir.




O VIVER

As casas dos Wojs são casas feitas com troncos de árvore inteiros, dispostas em um cone lembrando uma oca. Os troncos são amarrados com cipós ou cordas, e alguns pontos são cortados para prover melhor encaixe. As frestas são betumadas e cobertas com couros de animais para evitar que a água da chuva, neve e outras intemperes sejam um problema. A Casa em si é normalmente construída em locais altos para evitar as cheias dos rios e grandes rochas são locais bem comuns para encontrar casas de Wojs. O Chão é coberto de peles de animais abatidos e seus instrumentos e móveis são feitos com os ossos destes animais, madeira e pedra. Um woj sempre aproveita tudo, pois como é uma raça natural, seu instinto o leva sempre a nunca desperdiçar. “Tirar uma vida é necessário, tirar a honra dos que morrem é um absurdo” diz um provérbio Woj. Quando possível, ao invés de construir para si uma casa, um woj pode escolher viver em uma caverna adequada ao seu tamanho.
Por ser uma raça natural, os woj possuem uma afinidade muito grande pela raça de origem, neste caso, o urso. Estabelecem territórios para viver e não possuem civilização. Na maioria dos casos, vivem sozinhos ou em unidades familiares afastados uns dos outros e de locais civilizados. As famílias contem normalmente uma mãe e 2 a 4 filhotes. O macho não tem participação na criação dos filhos, sendo sempre isolado e distante.




Dado o parentesco com os ursos, um woj é um ser solitário e territorialista se tornando extremamente agressivo com intrusos. Praticamente, a única convivência com outros indivíduos da espécie se dá pelos laços familiares que o woj gera, e isso apenas até ocorrer o agoúra (ver nota).  A convivência com membros de outras raças somente se dá de forma amistosa quando o woj não tem seu território invadido. Para demarca-lo, usam símbolos na sua língua arranhados em árvores e costumam esfregar suas costas nas árvores, deixando seu cheiro, principalmente em épocas de acasalamento. Graças ao olfato apurado da raça, este cheiro é bem compreendido por outros wojs a até 200m de uma árvore marcada, ou seja:

Não tem desculpa...

Em território “neutro”, dois wojs simplesmente se ignoram.

A CULTURA

A cultura Woj se desenvolve pela tradição oral passada de geração em geração e por escritos na sua língua natal o Ursun. Esta forma de escrita consiste em símbolos desenhados com suas garras e alguns são literalmente “golpeados” na superfície. A despeito de possuírem língua escrita, não faz dos ursun um povo dado a ciência: sua ligação com a natureza é muito mais íntima que uma ciência racionalizada poderia compreender.



O Agoúra

 Um woj inicia sua vida como um filhote. São brincalhões, inexperientes e totalmente dependentes da mãe. Após os 5 anos de idade são preparados por ela para seguir um estágio da vida conhecido como “agoúra”. Esta preparação inclui aprender a caçar, pescar, lutar, construir casa e outras atividades importantes a sua sobrevivência. Um filhote woj raramente conhece o próprio pai. Caso se encontrem, serão estranhos um para o outro.
O agoúra começa aos 12 anos de vida.  Quando um woj alcança esta idade, a matriarca da família Woj leva o(a) jovem a um lugar que se tornará seu território. Normalmente o deixa com comida e ferramentas e parte, deixando-o a sós. A partir daquele momento, a ligação entre mãe e filhos se desfaz e os filhos se torna um estranho e ele próprio passa a estranhar sua família.
Durante o agoúra, um Woj aprende a viver solitariamente sem depender de ninguém, e torna-se extremamente territorialista. Quando o jovem Woj aprende a fazer, com competência, tudo o que que lhe ensinaram e percebe que pode cuidar de si próprio ele alcança a maioridade, isso costuma ocorrer aos 20 anos. Este momento da vida de um woj é chamado por eles de “Aganta”. Esta palavra tem um sentido parecido com a “iluminação” para os humanos, e dá a idéia de alguém que alcançou o pico da montanha. Neste momento o jovem pode procurar um parceiro(a) para criar família e a partir daí seguir o ciclo.
Normalmente, quando um Woj em agoúra é encontrado por membros de outras raças, ele é deixado em paz dado que eles não fazem mal na maioria dos casos e não se metem nos seus assuntos. Quando perturbados seu aspecto bestial e grande força normalmente afasta os intrusos, pois um encontro hostil com um Woj acaba, normalmente, com alguém morto.


O Antara

Antara, na língua ursun, significa “Andarilho”.

Alguns woj sentem o wanderlust, ou “anseio por viagem”. Estes indivíduos costumam abandonar seus territórios e viajar pelo mundo tendo contato com outros povos. Estes woj são chamados de “Antara” pelos demais e são os únicos que são aceitos num território sem ser rechaçado, pois tem uma função importantíssima entre sua espécie:
Eles adquirem conhecimento do mundo e, quando seu wanderlust acaba, eles abandonam a vida de aventureiro ou de citadino para vagar pelos territórios e ensinar os demais woj sobre o mundo, através de histórias. O Antara costuma escrever livros que são verdadeiros diários: magníficas fontes de informação sobre tudo o que ele viveu. Estes livros são chamados “Tarrancas”, e qualquer ser que tenha estes livros em mãos terá informações detalhadas sobre profissões, criaturas e outras experiências do woj.
O conhecimento dos Antara são repassados pelas matriarcas das famílias woj a suas crias para que preparando-os para seu Agoúra.
Os machos absorvem o conhecimento dos Antara, mas não os passam a diante: costumam guardar o conhecimento para si mesmos.



O Tarrú

Tarrú é uma característica cultural importante entre os wojs. Caso um macho encontre um filhote cuja mãe foi morta, ele o adota como seu filho. É o único momento na vida de um woj macho que este desenvolve algo parecido com um amor paterno.
Estes indivíduos são chamados de Tarrú, ou “Pai Verdadeiro”, para diferenciar de Tá, que significa apenas o Pai biológico. Ele ensinará o filhote tal como a fêmea da espécie faz até o seu agoúra com a mesma dedicação, com mais severidade e quando chegar a hora de dizer adeus, a mesma indiferença.

HISTÓRIA

Na história mundial, Woj tiveram pouca participação. Tal como a natureza, eles são em sua maioria indiferentes aos problemas políticos das nações, embora alguns Antaras tenham participado; mas sem muito efeito meritoso de ser registrado.
Existe, contudo, um Antara que destaca na política: Ragnor Pata Sangrenta. Ele é o General que, junto ao exército de Varsávia, rechaçou as Sombras na Guerra dos Sete dias, no vale de Adafram. Ele foi reconhecido pessoalmente pelo rei vársavo, sendo o único não humano a ter um posto significativo em seu reinado.



Ragnor Pata Sangrenta

Mecânica da Raça

- Humanóide Monstruoso Médio

- Deslocamento 9m

- Força +2 e Constituição +2: Wojs são seres muito fortes e resistentes.

- -2 em Destreza e Carisma: Wojs não são seres muito hábeis sendo mais dados ao uso da força e da resistência como formas de sobrevivência do que uma acurada precisão manual. Um woj é, também, pouco sociável.

- Armas Naturais: As garras e mordida de um Woj são eficientes armas. Suas Garras causam 1d4 pontos de dano e sua mordida 1d6.

- Se andarem nas 4 patas, um woj pode andar 12m, ao invés de 9m. Neste caso, ele não pode ter objetos sendo segurados pelas suas mãos.

- +1 de CA Natural cumulativo com qualquer outra forma de CA Natural. Eles possuem um couro resistente.

- +2 em testes de Nadar, Escalar e Sobrevivência

- Faro: Wojs possuem Faro como habilidade natural.


Link para os Talentos Raciais:

http://www.dragoesdosolnegro.com/2012/05/wojs-ii-talentos-raciais.html

Link para os Mitos e Espiritualidade Woj:

3 Blá blá blá!:

Odin disse...

Excelente!

Bruno Pequeno disse...

Wojs muito me lembram o meu irmão...

Dragões do sol Negro disse...

ahuahauhauahu

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes