terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Batalha Arcana 15 - Andando em Círculos


 Sejam bem vindos viajantes! Aceitam uma caneca de alguma bebida? Como é a primeira vez de vocês aqui, será por minha conta!

 Chegaram bem na hora que continuarei a contar algums histórias de alguns nobres guerreiros de quem muitos falam. Aproximem-se vocês também, que já sabem da história toda. Vamos lá:

   Após se darem conta de que deixaram Joseph para trás, Jidoari e Ragnak entraram em um grande conflito se deveriam voltar ou não para ajudar o amigo caído. Para o alívos dos dois, Blaze, Nikke e os demais que tinham ficado para trás chegaram ali.

  Agora, sabendo como os pioneiros passaram a ponte, todos decidiram utilizar a mesma tecnica. Quem estava pior foi carregado e todos saíram em disparada. Como o esperado, a criatura das águas atacou novamente. Pelo que soube algunas ataques foram frustrados, outros, embora tenha acertado, não causaou nenhum efeito, entretanto, alguns poucos paralisaram alguns dos heróis. Graças à agilidade de Ragnak ninguém sofreu maiores consequências.

Do outro lado da ponte, eles se depararam com uma porta de pedra, sem fechadura, com três metade de tigelas presas na porta.

Em pouco tempo eles perceberam que as tigelas ali poderiam ter alguma relação com a água. Como eles abriram a porta que trancava uma criatura de fogo, com uma arma de fogo; possivelmente abririam a porta que tranca a criatura da água com água.

 Se puseram então a molhar o pouco de panos que tinham e torcer dentro das tigelas para enchê-las. Dessa forma eles gastaram muito tempo. Se cansaram, pois não conseguiam fazer o trabalho progredir numa boa velocidade .

  Quando eles conseguiram encher os quatro recipientes eles percebram uma luz que estava sendo emanada das tigelas. A luz foi aumentando a intensidade  até que cegou todos eles.

 Quando deram por si, estavam de volta, diante da porta de madeira com o símbolo do clã comandado por um beholder. Algo lhes dizia que eles tinham regressado ao ponto de partida. A suspeita se confirmou quando abiram a porta e encontraram os quadrantes com armadilhas e o poço no meio do ambiente.

Confiantes de que já conheciam os pontos de armadilha, os heróis quase cairam nos alçapões que abriam diante de seus pés. A surpresa foi grande. embora estivessem no mesmo lugar, as armadilhas tinham mudado de lugar. Ragnak, confiante da saída fácil com sua noava arma - a lança que pegara com o inimigo em chamas, se dirigiu até a porta do outro lado. Para seu espanto o cabo da lança era muito grande para o que seria a fechadura da porta.

Como já conheciam "o protocolo" trataram de jogar um corpo dentro do poço. Na verdade, o que eu não esperava, era que o corpo jogado fosse o do clérigo que ajudou o grupo por tantas vezes. Sim gente, é verdade, Ragnak, sem pestanejar, pegou o corpo do clérigo e o arremessou dentro do poço. Como o esparado uma Salamandra, ardento em chamas, saiu de sua toca.

  Creio que nem preciso dizer que dessa vez foi mais fácil derrotá-la, afinal, estavam em mais guerreiros. Golpes cheios de acrobacias foram desferidos por Joseph, o monge. Ragnak o golpeava como podia com sua nova lança.

Inclusive creio que deva ressaltar um golpe estilo alguns monges, que o meio orc Nikke fez para atingir a criatura do fogo. Com um salto, o bárbaro atingiu um forte chute na criatura. percebendo que estava sem armas, o meio orc tomou distância, correu e chutou no ar o corpo da criatura. E nessa mesma oportunidade ele aprendeu que não se deve tocar em criaturas envoltas pelas chamas.

Depois de derrotar a criatura, ela deixou cair uma outra arma - diferente da lança. É uma arma não comum, conhecida por Siangham. Joseph, ao ver a arma, lembrou se que já viu alguns monges seus amigos que manuseam essa arma com maestria. Pensou até que pudesse ter uma aula ou duas para poder aproveitar melhor daquilo que aquela arma poderia oferecer.

Uma vez com a Siaghan nas mãos, a porta para as lagoas espelhadas fora aberto. Agora com mais calma, Joseph pode analisar e ver que o melhro caminho até o outro lado poderi ser por cima. E assim o fez. Usando tecnicas de escalada, o monge passou até o outro lado utilizando as cordas da ponte do alto. Ragnak, depois de ver Joseph fazendo, seguiu seus passos. Jidoari preferiu ficar daquele lado dos lagos mesmo.

Do outro lado, o monge e o bárbaro, tiveram a idéia de que somente a água que compõe a serpente poderia ser capaz de abrir aquele porta. E investiram nessa busca por essa água em específico. Creio que nem preciso dizer que foi uma busca em vão. A serpente começou a atacá-los ferozmente e num desses ataques quase que Ragnak morre afogado. Joseph acabou voltando para a primeira margem, nessa correria do monstro e Ragnak ficou sozinho na margem da porta de pedra.

Vamos descobrir o que acontecerá com esses nossos heróis. Como sempre, assim que souber de algo eu aviso. E por favor, assim que souberem de novidades, avisem.

Enquanto isso, aproveitem!

0 Blá blá blá!:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes