sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Numumba – Um sonho para cada pesadelo


Numumba – Um sonho para cada pesadelo

Para cada sonho há um pesadelo correspondente.

Da mesma forma que a luz se esparrama para preencher os cantos escuros da alma, as sombras se espalham nos recônditos onde a luz não alcança. E quem pode imaginar o lodo de escuridão que se avoluma naqueles que, em silêncio, suportam as ofensas, as dores, as frustrações?

Numumba acorda gritando após mais um sonho conturbado – ora, qualquer um teria pesadelos após ter a cubata invadida por um pigmeu raivoso de presas, não é mesmo? Cala a boca, seu moleque!, Acordo cedo amanhã pra treinar, porra!, grita o papai, cala boca você, seu inútil, se mijou por que, ficou com medo dos gritinhos do seu filho?, Seu paspalho!, papai e mamãe se consumindo na berraria, Numumba se levanta, já está lá fora, olha para as estrelas; implora por algum sinal, algum conforto. Mas elas não parecem lhe dispensar muita atenção.

É sempre possível controlar a própria imaginação, na qual é o Grande Herói Numumba, Caçador de Omakakulas e Pegador de Nilimbas; todavia, não se nega a sinceridade de seu verdadeiro sonho – ousa nos revelar seu verdadeiro desejo, meu caro Numumba? Não consegue ainda, nem para si mesmo, mija-se só de lembrar, treme de medo há dias, como que acometido pelo presságio de que algo horrível está para acontecer. Gostaria de pedir piedade aos espíritos, mas não é assim que funciona; eles apenas observam, e interferem apenas quando lhes convêm.

À noite, hora em que cazumbis se erguem para assombrar e lamentar sob o olhar atento de Kakueje, a Pálida, cuja fosforescência leitosa do alto dos céus trevosos coalha campos e matas, e a Munda Central, em cujo pé nossa aldeia se localiza, mais parece um pico fantasma por onde se esgueiram névoas doentias que ondulam brancuras frias; pessoas comuns se recolhiam em suas cubatas, animais se escondiam em suas tocas, plantas permaneciam onde estavam por não terem opção, espíritos perambulavam como queriam – esses nunca dormem. Em nenhuma hipótese.

Papai e mamãe voltam a desmaiar de sono e Numumba, aproveita para escapar, ir se alimentar; percorre rápido as ruas escuras da aldeia, nada se movia, pelo menos nada pertencente ao mundo visível; poderia até se assustar aqui e ali com os secos barulhos da noite, mas o sonho/pesadelo já lhe tinha exaurido todas as forças, de forma que não sobrava mais nenhuma para sentir medo; dirigiu-se célere ao pátio de velho Nanga, o Contador de Estórias, Nolom já estava lá, não conseguiu dormir, colega?, perguntou baixinho Nolom, é, o de sempre, papai e mamãe berrando no meio da madrugada, respondeu Numumba, é, pelo menos você têm pais para te lembrarem que você existe, disse Nolom, Numumba se calou, envergonhado, voltaram-se para velho Nanga, sentado, e então se batiam então palmas, pedia-se permissão, ó ancestrais, concedam-me licença para absorver seus saberes e segredos, rolava-se a barriga na terra em respeito ao mais velho, velho Nanga enchia a cara velha com maruvo fresco, cambaleava e vomitava, e então começava.

Era uma vez um tempo anterior a todos os outros tempos; um tempo de sonhos e mistérios, além de todas as memórias cinzentas; as florestas cintilavam, árvores caminhavam, animais falavam, espíritos perambulavam abertamente à luz do Sol, uma vez que não havia a Barreira – os Caminhos para o Sonho estavam abertos. Por toda parte, esparramava-se o cheiro translúcido da noite azul, enquanto diversas criatividades fluíam abundantes como cristais puros de estrelas brilhantes; os espíritos se inebriavam dessas criatividades e copulavam bêbados uns com os outros até fornicarem a Vagina da Existência; e a realidade gozava trovoadas, nasciam jovens raios, jovens chuvas, montanhas flutuantes, desertos aberrantes, selvas ambulantes. E os espíritos copularam também com criaturas mortais, dando origens a linhagens inteiras de mestiços meio carne, meio espírito: seres lendários feitos de sonho, avatares brilhantes que tocavam a realidade e alcançavam as estrelas, ânsias soluçantes de desejos infinitos, que se multiplicaram e se espalharam pelo mundo como ventos velozes de verão.

Fascinante…!, Espetacular…!, Os Dias Antigos deviam ser incríveis!, Espíritos e humanos lado a lado, imagine só!, Já estou imaginando!, Estou vendo!, É fantástico, etc., exclamavam tão baixo quanto podiam, Numumba e Nolom, muito dignos em suas expressões aparvalhadas.

A despeito de todos os afazeres e obrigações e cobranças, todos os dias alimentamo-nos de ficção – para nos lembrarmos de que ainda estamos vivos, para conhecer melhor nós mesmos; pessoas como Numumba e Nolom precisam das estórias mais do que comer ou respirar. Os dois amigos sempre iam para o njango de velho Nanga, ilustre membro do conselho de anciãos; Numumba saboreava aqueles contos como se fossem finos doces dourados de mel perfumado; saltitavam ensandecidas as visões de lagos encantados, árvores falantes e serpentes aladas que cuspiam fogo. Numumba, o Herói, desafiava as poderosas rainhas-feiticeiras do Império Kalumba, se aventurava no Fosso das Almas para conseguir a Lança das Dimensões, como seria uma conversa com Namutu, o Primeiro Homem, cuja iluminação e poder ultrapassavam a compreensão meramente humana? Talvez, quem sabe, descobrir os nomes secretos das Cinco Rainhas-Serpentes, ou ainda enfrentar alguma das horripilantes Abominações Ancestrais…

Dia desses, estava o velho Nanga contando sobre o grande caçador Nlunga Ua Tembo – que matara cem omakalulas com apenas uma lança – quando notou que Numumba nervosamente crispava os lábios, o que há?, Menino, eu conheço esse chiste, vamos, fale, ah, perdão, não é nada, fala logo garoto! Está bem: n-nas estórias, todos exaltam, éramos reis de grande poder, sabedoria, vastos territórios, etc. e tal. Mas agora nossa linhagem não passa de aldeias esparsas controladas por uns sobas vaidosos mais preocupados com umas mesquinharias babacas e não realizam nada de bom! Nada! Ficam só se matando como se fossem uns idiotas! Por quê?

– Numumba! – exclamou Nolom.

– Perdão! Falei o que não devia, perdão, perdão! Não me mate, por favor!

– Recomponha-se, garoto! – ordenou velho Nanga. – Não farei nada a você. Disse a verdade.

– O quê?

– Somos a tribo Nangana, da linhagem de Namutu, o Iluminado, que por sua vez descende diretamente de Grande Mãe Serpente, Criadora da Terra e do Céu. Somos os sábios de nossa espécie. A capital de nosso reino era a Munda Central, em cujo ápice ainda repousa o Trono do Céu. Somos o que somos.

Numumba e Nolom se entreolharam, abriram a boca, mas desistiram; era mais fácil olhar para o chão. Os lábios de Numumba começaram a crispar de novo, enquanto Nolom piscava sem ritmo. Velho Nanga permanecia imóvel e a fogueira crepitava cheia de desdém.

– Mas vocês podem… – começou velho Nanga.

– Podemos…? – disseram juntos os dois moleques.

– Nada. – disse velho Nanga. – Chega, está tarde, vão para suas cubatas.

Respeitosamente cumprimentaram o ancião e saíram sem entender porra nenhuma; arriscaram uma olhadela para as estrelas enquanto suas cabecinhas centrifugavam suas imaginações particulares. Despediram-se um do outro sem dizer nada e recolheram-se até suas casas, rumo a mais um sono inquieto, mais uma noite em claro de auto-lamentações deploráveis – pois não há ninguém para segurar sua mão quando estamos sozinhos no quarto escuro da alma, certo?

Já velho Nanga permanecia diante da fogueira. Sentou-se na pedra. Disse para alguém que aparentemente não estava ali:

– Vocês poderiam sonhar muito mais do que imaginam se fossem capazes de encarar a si mesmos e parassem de se refugiar em suas imaginações limitantes. Como a maioria das pessoas fazem.

– Sim, eles podem sonhar muito mais – respondeu alguém que aparentemente não estava ali. – E vão fazê-lo, assim que descobrirem o que realmente são. Mas te intrometer está muito além de tua alçada, velho estúpido; apenas observa e relata os acontecimentos para as futuras gerações. Não te metas com os desígnios estabelecidos pelos espíritos!

Velho Nanga se recolheu à sua cubata para encarar seus próprios sonhos sinistros.

Fábio Cabral, especial para o Ao Sugo e autorizado por ele para os Dragões do Sol Negro

Imagem: Kilimanjaro Speedpaint, por Mr. Conceptual, Deviant Art

4 Blá blá blá!:

Igor disse...

ótimo post.
Aguardo seu conto do projeto blogosfera.

RPG Forever disse...

Muito, muito, mas MUITO bom.

Kabral disse...

Oh, agradeço! =D


E o meu conto do Gulungo foi selecionado! Uhu!

Dragões do sol Negro disse...

hehehe, aguardem os contos da blogosfera, já esta passando pela editoração estou tao ansioso quanto vocês! hehehhe

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes