sábado, 19 de junho de 2010

Sábio moreno


Entrai, vós que quiserdes!
Tu que moves a porta,
Furai as mãos,
E acendei as luzes da ponte!

Quatro em quatro,
Passo a passo,
Cuidado!
Cada passo em falso,
Um degrau vem ao chão!

Ferro e fogo ferem a carne,
Ferro e fogo!

Conhecimento é o caminho,
Levando o bastão de espinhos.

Ferro e fogo!
Ferro fere a carne,
Fogo queima-a,
Ferro e fogo,
Vidro e madeira.

Devore a tu e a teus filhos,
De um horizonte a outro,
Da ponta ao cabo do tridente.
E abra sua garganta.

Ferro e fogo ferem a sombra,
E o bastão de espinhos vem por terra.

Porta, grande porta,
Abra-te porta!

Porta negra,
Dupla porta.
Deixai tudo frente à porta.

Quatro cantos,
Quatro lados,
Quatro chaves,
Cinco pontas...
Quatro.

Ferro, pedra, martelo!
Batendo, quente sem farelo,
Ferro e fogo?
Não.
Quente é o martelo.

Ponta ao cabo,
Tridente não é a lança,
O arco gira,
Mas a flecha só tem uma ponta.

Vem, cresce e vai embora!
Segura firme,
Bebe e nunca tomba.
Amarelo?

Lede!
Juntai os pontos,
Cunhai vossa palavra!
Comum,
Chave não tem significado.

Pisai!
Riscai!
Acertai!
Respondei!
Abra-te,
Ou fecha-te!

Parede, lisa e sem cor,
Parede, lisa e vermelha,
Parede, lisa e verde,
Parede, lisa e azul,
Parede, lisa e branca,
Parede, lisa e sem cor.

Eis o Sábio,
Eis o Homem Moreno.
Eis tua lâmina,
E eis, assim,
Tua chave.





Por João Luís "Biguds" Ch. P.
Imagem retirada de http://jackolson.wordpress.com/

0 Blá blá blá!:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes