quinta-feira, 1 de abril de 2010

Brabon Parco

Brabon Parco

Cuspido do ventre, lavado em lama e educado entre as cabeças decepadas dos inimigos de seu povo, cresceu Brabon.

Na ilha onde nasceu, um orc só se estabelece pela força, a definição do monarca é resolvida pelas tatuagens que porta, cada tatoo equivale a uma cabeça decepada de inimigos do forte povo.

Aos 12 anos Brabon já ostentava 1 tatuagem, conseguida em missões de caça, mereceu ao custo de 8 dentes e duas costelas quebradas aprender o ofício de guerreiro, mais 2 tatuagens para conseguir uma armadura e uma arma que agradassem suas mãos sedentas por ascensão social.

Aos 12 anos Brabon já ostentava 1 tatuagem, conseguida em missões de caça, mereceu ao custo de 8 dentes e duas costelas quebradas aprender o ofício de guerreiro, mais 2 tatuagens para conseguir uma armadura e uma arma que agradassem suas mãos sedentas por ascensão social.

Treinamento completo, mais 1 tatuagem, Brabon se sente confiante para buscar o mundo.

Primeira parada, Baia da Estrela, o barco orc não prima pela discrição, um erro fatal quando se desembarca em uma terra dominada por elfos, logo ao desembarcarem avistam um solitário elfo em sua caçada, a perseguição começa, o bando adentra a floresta com armas em punho, porém, sempre que parecem estar perto do alvo ele desaparece e reaparece em um ponto distante, demoram a perceber que estão perdidos em uma terra desconhecida.

Antes do xamã orc terminar a oração, pedindo orientação aos Deuses de seu povo, um zunido agudo corta o ar, uma flecha certeira atravessa sua garganta, o bando pragueja, seus grunhidos guturais são sobrepostos por uma saraivada de flechas, o bando corre em direção ao mar.

Brabon não avista seus iguais na correria, apena ouve flechas zunindo e os gritos de morte ficando mais distantes.

Um sentimento novo invade sua mente, medo, não da morte, medo da humilhação de ser vencido por criaturas tão fracas e covardes.

Brabon chega à praia, avista um barco elfo ancorando, ele pensa na desforra, sua cabeça não será separada de seu corpo tão facilmente, ataca em carga, uma flecha ricochetea em sua armadura, outras duas o atingem antes de alcançar o barco, consumido pela raiva Brabon adentra a embarcação, o mundo de Brabon fica rubro,seus inimigos não mais respiram.

Com dificuldades Brabon tenta por o barco em movimento, seu braço pende querendo se separar de seu corpo, ele urra em um último esforço, consegue por o barco em rota para o alto mar, rema vagarosamente até sentir que uma corrente o arrasta para longe da ilha.

Perdendo muito sangue, certo de seu destino, Brabon gargalha, pensa que poderia ter trazido algumas cabeças, já que iria morrer seu corpo poderia ser encontrado junto as cabeças de seus algozes, talvez Gruumsh permitisse sua entrada em seu reino, lamenta o fracasso e roga por novas batalhas no outro mundo, desmaia...

3 Blá blá blá!:

Legacy of Dragon disse...

Saudações aventureiro!

Que Bradon Parco possa descansar em paz, seus feitos serão contados por muitos bardos!

Dragões do sol Negro disse...

Seja bem vindo!
O Primeiro post do Legacy of Dragon,
Espero que goste do nosso blog e esperamos mais comentários seu!

Legacy of Dragon disse...

Fico agradecido pelas palavras!

Ainda estou engatinhando nesse ramo de blog mas a tendência é se esforçar e trazer cada mais conteúdo para todos nós que amamos esse maravilhoso mundo do RPG.

Estarei sempre passando por aqui, já sou seu seguidor!

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes