sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Hora do Pau! ou ou Inicio do Fim 12-parte2

Ah meu rei, saciarei sua sede de sangue, sobre a batalha!

-Nossos heróis estavam com medo esse seria o fim deles enfrentariam o grande demônio das profundezas o mal encarnado, o terror em seus corações. -Smirnof transpirava muito estava difícil segurar Kocteh, enquanto mantinha os olhos fixos no maldito, todos eles estavam olhando fixamente para o maldito senhor das trevas, sei hoje meu rei que o nome dele era Sain Glen, aqueles segundos antes do combate era interminável, aquele frio na espinha o tremor nas pernas que antecedem o combate parecia ser para sempre. Quando perdemos esse tremor?-Para alguns, jamais para outros, basta começar a peleja e para os experientes heróis era assim que acontecia bastava começar.

Anrod segurou o seu arco com a mão esquerda pois a direita usava uma varinha encantada da qual expelia as forças da natureza em forma de relâmpagos, não em direção a Sain Glen, na direção dos asseclas derrubando um a um e aos montes, pois os relâmpagos ricocheteavam nas paredes atravessando o recinto de um lado ao outro e ao teto.

Mas o alvo deles era outro a ameaça era outra, o inimigo meu rei era outro, e Smirnoff correu com o seu característico sorriso aos olhos já não mais tremia e nem sentia o arrepio agora era a hora era o combate o final do seu tempo e seria lutando! Em carga levantou a Koceth por sobre a sua cabeça e desferiu o seu ataque mortal, qualquer outra criatura teria sido destruída com apenas um golpe, mas o maldito com o seu corpo coberto de chamas parecia não sangrar nem sentir dor e não caiu.

-Krepes se engalfinhou com os asseclas do lado esquerdo combatendo como um leão feroz, pois mesmo em sua pouca inteligência sabia que aquele momento era matar ou morrer!

-Draël, com toda sua graça e leveza, dançando com suas armas atacou uma, duas, três vezes, mas o maldito não sentia dor.

-Taeron atrás do seu escudo tentava defender o seu senhor Loreon, mas eram muitos eles lutavam bravamente mas era uma batalha perdida.

-Kaloi correu com fúria e atacou, racharia a cabeça do demonio se o demonio não fosse Sain Glen.

-Beck Ardigans estava atrás defendendo os seus amigos para que o pequeno halfling pudesse disparar suas flechas, certeiras mas ineficientes.

-Eníales combatia segurando os asseclas, mas eles era muitos era um exercito contra um grupo de amigos, meu rei uma luta desleal.-Nunca vi um demônio que combatia com lealdade e honra.

-Baltazar com a sua maldade no olhar atacava a criatura com as suas espadas que traziam o frio da sua alma e essa arma sim parecia ferir a criatura.

-O Tiefling amigo deles também combatia.-Sim meu rei ele lutava contra os de sua raça, hoje sabemos que não são da mesma raça, mas é dificil ignorar um ser tão parecido com demonios.

Todos os ataques eram inuteis nada parecia cortar a carne de SainGlen, só Baltazar parecia trazer dor ao maldito, esfaqueando várias e várias vezes seguidas. SainGlen revidava lhes arrancando carne e queimando o lugar com suas garras de fogo. É meu rei era esse o fim eles sabiam que cegará o momento e não poderiam se despedir dos seus amigos e familiares, Kaloi e krepes jamais veriam sua mão de volta, Smirnoff jamais alcançaria seu descanço merecido, morreria aqui esquecido do mundo, Eníales jamais ocuparia o seu lugar de direito na corte élfica, o pai de Taeron jamais saberia como ela fora brava em combate, eles seriam esquecidos aqui nesse mundo de magia e destruição. Jalam jamais teria sua carroça encontrada. Os deuses os haviam abandonado nesse mundo de desgraça esquecido pelos criadores do sol e da noite, era o fim!

No entanto estamos falando de heróis e a balança sempre pende para aqueles que lutam com honra e bravura, e com as estocadas de Baltazar, Kaloi conseguiu desarmar a criatura, de súbito todos sabiam aquela era a arma que mataria o maldito usariam Jyrad, o maldito parecendo não ser incomodado pelos ataques sucessivos deles foi até a arma e a pegou mais uma vez, mas agora eles sabiam que tinham chance precisavam da arma e o demônio seria mais uma vez derrotado.

Focaram seus esforços para pegar a arma, e em conjunto conseguiram mais uma vez desarmar a criatura, e mais que rápido pegaram a arma e arremessaram no coração do maldito.

Ele teria morrido mas foi com pouca força e a arma não entrou o suficiente o demônio tinha a pele flamejante e resistente.

Qualquer outros teriam desistido Baltazar pensou em desistir, Drael teve uma idéia e com sua dança mortal atacou distraindo a criatura enquanto Smirnoff abria a sua guarda, então o sacrifício foi feito Kaloi atacou sem armas e com força acertou Jyrad fazendo com que ela encontra-se o seu destino no coração do infeliz que urrou e desapareceu em fumaça e fogo, no seu lugar apenas Jyrad se encontrava no chão como se nada tivesse acontecido se não fosse pelo desenho negro deixado no chão onde Sain Glenn sumiu.

Eles haviam vencido o invencível.

Seus amigos derrotaram os seguidores do maldito, queimados por relâmpagos e magias.

Eles estavam bem machucados mas vivos. Agora era hora de voltar pra casa, o paladino morto em sua caverna sorria.-Não meu rei eles não viram isso, mas ele sorria, em seu tumulo, isso os deuses presenciaram.

Como eles iriam fazer isso é uma outra história meu rei, que contarei uma próxima seção.

4 Blá blá blá!:

Ederson disse...

Eu preferia nao ter lido isto =/ mesmo tendo sido citado. Eu poderia ter dado umas boas machadas, mesmo que nao fizessem efeito.

Sem mais comentários...

Anônimo disse...

Ahááá...
Mandou bem Finola.... ficou massa a descrição da porradaria...

E Eder.... SIM, vc perdeu!!!

Matheus

Dragões do sol Negro disse...

haahahahuauahauhauuhauh
é Eder agora vc acredita que teve jogo? heheheh

Ederson disse...

=/
Uhum!

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Facebook Themes